quinta-feira, 31 de agosto de 2017

se um dia uma rainha

se um dia uma rainha
se sentasse ao teu lado,
se ela fosse pequenina
e do teu agrado

o que é que tu,
o que é que tu
lhe dirias?

se um dia a navegar
p'los olhos de sua graça
te sentisses naufragar
sem qualquer ameaça

o que é que tu,
o que é que tu
farias?

se um dia na escuridão
ouvisses a voz menina
chamar do coração
que pertence à rainha

o que é que tu,
o que é que tu
responderias?

se um dia uma rainha
fizesse de ti seu rei
e fosse também mansinha
à tua palavra-lei

o que é que tu,
o que é que tu
sonharias?

quinta-feira, 20 de abril de 2017

eu gosto de ti, daquela maneira

eu gosto de ti, daquela maneira
secreta — nem à minha alma o contei,
nem ao coração, um dia, perdoarei
a omissão de tamanha chinfrineira!

por ti espero, em perpétua agonia
de uma dor que nasceu sem avisar,
da distância que impede de sonhar
que a cama não tem de se ter vazia.

abram alas aos meus dedos falantes,
que, em mim, são detentores da coragem
com a qual eu apenas sonhava antes.

p'ra que, um dia, possas ser mais do que imagem,
morrem aqui e agora as amantes
que eu apenas amei por vadiagem.